RSS

Arquivo de etiquetas: catedral

Colônia

Hallo, Freunde!

Para quem chega em Colônia de trem, você já conhecerá um dos principais cartões postais da cidade: a ponte Hohenzollern.

Como foi o nosso caso, você desembarcará na estação central, ou Hauptbahnhof. A primeira imagem de quem chega na cidade é de uma construção estonteante: a catedral da cidade, carinhosamente chamada de Dom.


Não tinha percebido nada de diferente até que o David me falou…. Quando levantei os olhos, percebi que as paredes das estação eram todas de vidro, o que permitia que aquela imponente catedral desse uma espécie de boas vindas a todos que chegam na cidade.

Minha única vontade foi sair o mais rápido possível para admirar aquele lugar grandioso. É impossível descrever a sensação de estar ao lado dessa igreja. Ela é realmente de tirar o fôlego!

Depois de alguns minutos apreciando, finalmente decidimos procurar o hotel.

O ponto de informação ao turista fica na frente da catedral, de modo que pudemos continuar observando por todos os ângulos a Dom. Com o mapa da cidade em mãos, pegamos o metrô em direção ao hotel. Um detalhe interessante é que nesse ponto de apoio ao turista eles cobram 20 cento o mapa, enquanto que no museu românico-germânico é de graça.

O hotel escolhido fica uns 20 minutos a pé da estação central e, como estávamos com malas, decidimos nao caminhar dessa vez. Muito bem localizado, com quarto e atendimento excelentes, além de internet free e de ótima qualidade, sugerimos o Barceló Cologne. Se você deseja algo mais prático, existe a opção de um Hotel Íbis ao lado da estação central, aliás, praticamente anexo a ela.

Como chegamos quase 14 horas decidimos aproveitar esse primeiro dia para reconhecimento da área.

Nesse passeio, descobrimos uma deliciosa confeitaria, a Fromme, com doces deliciosos, ela está em vários pontos da cidade. Recomendamos!

Em Colônia aconteceu algo que nunca tinhamos vivenciado. Depois do lanche, David perguntou ao atendente aonde deixar as garrafas, pois não tinha lixo no lugar e, na hora, pediu para que o David entregasse para ele e devolveu de 10 a 20 cents a garrafa. O Brasil muitas vezes é criticado por ser um dos paiíes que mais recicla latinhas de alumínio, em função da sua pobreza, a população revende.

Mas posso garantir que na Alemanha o indice de reciclagem de plástico deve ser altíssimo, pois não encontramos nenhuma garrafa nas ruas e várias pessoas a procura, inclusive revirando nas latas de lixo. Interessante esse fato, pois a Alemanha ainda é considerada um dos países mais ricos da Europa….

Enfim, o destino final da caminhada foi, claro, a Dom. Não dormiria feliz sem conhecer aquela estonteante igreja por dentro. Confesso que ela não decepciona em nenhum ponto, e diferentemente das igrejas na Europa, não é cobrado ingresso para visitação.

 

 

Inicialmente, a catedral foi construída na forma de um templo romano do século IV, um edíficio quadrado conhecido como a “mais velha catedral” e administrada por Maternus, o primeiro bispo cristão de Colônia. Uma segunda igreja foi construída no local, a chamada “Velha Catedral”, cuja construção foi completada em 818, que acabou queimada em 30 de abril de 1248. O projeto da antiga catedral pode ser admirada em um mosaico no chão da catedral atual.

 

 

 

 

Assim, a nova catedral de Colônia foi projetada em estilo gótico e começou sua construção no século XIII (1248), levando, com as interrupções, mais de 600 anos para ser completada.

 

 

As duas torres possuem 157 metros de altura, com a catedral possuindo comprimento de 144 metros e largura de 86 metros.

 

 

Estar na cidade e nao subir na torre da catedral é como ir a Roma e nao ver o Papa. Então, resolvemos encarar o desafio de subir os 533 andares… Que desafio!!! Apesar do cansaço e algumas paradas no meio do caminho, a subida vale a pena… A vista lá de cima é linda… E você ainda tem o bônus de ver todos os detalhes góticos da igreja bem de pertinho.

 

 

 

 

Quando foi concluída em 1880, era o prédio mais alto do mundo. A catedral é dedicada a São Pedro e a Maria. Segundo a tradição, no interior da catedral está guardado o relicário de ouro com os restos mortais dos Três Reis Magos Baltazar, Melchior e Gaspar.

 

 

 

Com a Segunda Guerra Mundial, a catedral acabou recebendo 14 ataques por parte de bombas aéreas e não caiu. Por ser considerada patrimônio da humanidade pela Unesco, ambos os lados tiveram que respeitar a construção. Sua reforma foi completada em 1956. Na base da torre noroeste, um reparo de emergência realizado com tijolos de má-qualidade retirados de uma ruína próxima da guerra permaneceu visível até fim da década de 1990 como uma lembrança da guerra, mas então foi decidido que a parte deveria ser reformada para seguir a aparência original.

 

 

Para ter uma visão 360 graus de dentro da igreja, clique aqui. Do lado de fora, clique aqui.

 

 

Depois de alguns momentos contemplativos, decidimos voltar para o hotel, afinal, seria importante descansar para o dia seguinte. E o caminho não poderia ser mais agradável: varias ruas que se cruzam, transformam-se num shopping a céu aberto. Com grandes lojas multinacionais, como a H&M e a também famosa lojas de departamento Galeria Kaufhof.

Não tente iniciar o dia muito cedo aqui em Colônia. As lojas e atrações só começam a funcionar depois das 9h ou 10h da manhã. Assim, iniciamos nosso tour pelo famoso teleférico da cidade.

Partindo do nosso hotel, pegamos a linha 18 do metro (azul) até a estacao zôo/flora. Fica bem pertinho. Aconselhamos comprar ticket de ida e volta, já que do outro lado tem um lindo parque, mas sem grande atracões. O que vale mesmo nesse passeio é bela vista que se tem da cidade e de seus principais atrativos turísticos.

Na volta, aproveitamos para conhecer o terceiro mais antigo zôo da Alemanha. Com 20 hectares, tem 7.000 animais de 650 espécies, o lugar é encantador!

 

 

 

 

É lindo!

 

 

 

 

Para esses dois passeios você levará praticamente toda a manhã.

 

 

Por isso, almoçamos por lá mesmo…

Retornamos de metro até a estação central e fomos conhecer o famoso museu romano-germânico, que fica do outro lado da Dom. Nele você descobrirá um pouco mais da história da cidade e dos romanos. Muito interessante.

Saindo de lá, caminhamos até a Igreja St. Martin, um dos mais belos modelo de arquitetura românica da cidade. Chegamos lá no horário de missa e foi divino ouvir os cânticos naquela igreja cheia de história. É possível encontrar fotos de como ela ficou depois dos bombardeios da segunda grande guerra… Incrível como conseguiram reconstruí-lá praticamente das ruínas.

Bem em frente a igreja, você encontrará uma simpática praça…

Depois de renovar as energias, passe pela região do rio Reno, com vários bares e restaurantes muito charmoso, com música ao vivo.

Experimente a cerveja local da cidade, chamada kolsch.

Para recompor a energias, vá ate o Museu do Chocolate.

 

 

Além de contar a história e explicar o seu processo de fabricação, é possível conhecer e degustar todas as delícias da marca Lindt, o melhor chocolate do mundo, pelos menos ao meu ver 😉

Colônia é uma cidade extremamente simpática. Prova disso são seus recantos. A cada esquina uma nova surpresa, como carros antigos…

…e fontes cheias de charme!

Para uma próxima viagem, que sabe um passeio pelo Rio Reno, com direito a castelos e a conhecer outras cidades próximas. Para isso, reserve 9 horas de seu dia, sendo cinco horas para ir e mais quatro horas para o retorno.

Enjoy!!

Data da viagem: 23 a 25/maio/2012

*

 
1 Comentário

Publicado por em 28 de Junho de 2012 em Alemanha, Colônia

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Praga – República Tcheca

Franz Kafka dizia que “Praga não deixa a gente ir embora, esta velha tem garras”. Ele deveria saber o que falava já que foi lá que nasceu e viveu a maior parte de seus 41 anos.

Praga é a capital da República Tcheca relativamente pequena que fica no coração da Europa, na fronteira com a Alemanha, Áustria, Eslováquia e Polônia. Praga (Praha) tornou-se um dos destinos turísticos mais populares na Europa. No outra capital europeia contém seiscentos anos de arquitetura tão completamente intocada pelo desastre natural ou guerra. Rica coleção de Praga, do gótico, do barroco e edifícios renascentistas saiu ilesa de séculos de lutas. Os estudantes tomaram as ruas da cidade e lutaram contra o regime comunista, desde lá, Praga desfrutou um renascimento cultural sem precedentes. Entre as ruas de Praga na calçada e derrubou torres de ouro, novas galerias, cafés e clubes de servir “expatriados”. A cidade vive uma dicotomia: arquitetura antiga e bem conservada e uma população jovem, alegre e com uma mente borbulhante de ideias novas.

Sempre que conversávamos com alguém que já tivesse visitado a cidade a descrevia como “mágica”. Confesso que sempre achei um grande exagero, afinal, para chegar a essa categoria ela precisa realmente nos deixar boquiabertos. E foi exatamente assim que ela nos deixou todos os dias, em cada nova esquina descoberta…

Chegamos de avião e no aeroporto mesmo você tem várias opções para chegar na cidade. Verifique a localização de seu hotel no mapa, pois existem dois meios principais de transporte: metrô ou um ônibus. Antes de fazer sua escolha, vá ao guichê de informações ao turista que eles lhe darão todos os dados necessários. Cuidado, quando desembarcamos fomos direto em uma empresa privada, que faz o traslado e a funcionária nos garantiu que ficaríamos muito perto do hotel. Ao chegarmos no final da linha, estávamos a diversas quadras do nosso hotel e o pior, com as malas… bastante desconfortável.

Eles tem três grandes linhas de metrô que circulam a cidade, além disso, existem os trens elétricos (bondes). O bonde número 22 leva aos principais pontos turísticos da cidade. Certamente você estará bem servido nesse ponto.

Antes de viajarmos, procurei alguns sites sobre a cidade e em vários li que era uma cidade perigosa, que era para cuidar com os batedores de carteira. Para completar, foi noticiado que o presidente do país havia furtado uma caneta em um cerimonial (http://www.lux.iol.pt/internacionais/vaclav-klaus-roubo-caneta-presidente-chile-video/1246437-4997.html), o que nos deixou ainda mais preocupados! hehehe Mas, brincadeira a parte, a cidade chama a atenção por ser exatamente o oposto: é segura, limpa e organizada, com muitos guardas andando pela cidade, em todas as horas do dia. Vale lembrar que nenhuma cidade é 100% segura e que todo o viajante precisa tomar cuidado, mas nada de especial, que tire a tranquilidade das férias.

Falando em alegria, tivemos a sorte de estarmos na cidade em um período que eles realizavam o Festival de Música de Primavera de Praga, acontece todos os anos, no mês de maio. O lugar respira cultura. É possível encontrar vários concertos de música clássica e apresentações diversas, bem como museus e exposições das mais diversas. Mas ela realmente se destaca pela beleza dos cristais que encontramos por lá. Eles vão de lustres magníficos, a copos, anéis e objetos de decoração feitos com o material.

A cidade também é conhecida por seus fantoches, oferecendo também um Festival em homenagem ao gênero.

Lá também encontramos aquelas bonequinhas que encaixam umas nas outras, que é típico da região. Você poderá encontrar nos mais diversos modelos, de jogadores de futebol e personalidades públicas. Você pode até não comprar, mas vai se divertir com as interpretações dos artistas locais:

Outro souvenir que você irá encontrar na cidade são as caixinhas de música. Particularmente, acho um barato! O castelo da cidade também oferece os mais variados tipos de lembranças, enfim, não tem como sair de Praga sem uma lembrança. A maior de todas elas ficará gravada em nossas mentes, junto com a vontade de voltar… sim, Praga tem garras, e mesmo que te deixe ir, fica aquele gostinho de quero mais…

Falando sobre os pontos turísticos, penso que a melhor forma de desbravar a cidade seja a pé, em uma caminhada sem rumo, pois cada recanto te convidam a entrar e aproveitar…até mesmo um banco na praça é convidativo. Não é a toa que Praga é conhecida como a “cidade dourada”, pois existem inúmeras cúpulas e agulhas douradas na cidade, que brilham ao sol. A sensação que se tem é gnomos e elfos dão polimento no dourado todas as noites. É tão bem conservado o centro histórico que parece que o tempo não passou, é realmente deslumbrante.

Alguns lugares pra conhecer:

:: O Castelo de Praga é o maior castelo de todo o mundo, com início de construção no século IX, e cujo complexo engloba a imponente Catedral de San Vito, a mais antiga catedral gótica da Europa. Em seu arredores, as ruas convidam para um passeio sem rumo, a imaginar as muitas histórias vividas ao longo dos séculos. Lá de cima, podemos admirar a cidade de um outro ângulo.

:: As belas pontes centenárias que decoram o curso do rio Vltava. Entre elas, encontra-se a esplêndida ponte São Carlos (Karlův most), construída em meados do século XIV, onde os pilares são decorados com, aproximadamente, 30 estátuas barrocas representando santos católicos. Reza a lenda que foi adicionada clara de ovo na massa para tornar a ponte mais resistente, já que a antiga foi levada por uma enxurrada. Além da beleza do local, podemos aproveitar para comprar alguma coisinha do artesanato local. Tem coisas muito bacanas de se ver!

:: A rua Královská, que se estende do Teatro Municipal da cidade até o Castelo de Praga . Nesse caminho, pode-se admirar o comércio dos famosos cristais tchecos (A tradição de trabalhar o vidro e o cristal na República Tcheca é conhecida desde o século I A.C. , mas a produção em grande escala data do século IX D.C.) e, na velha torre (Staroměstské náměstí) , o célebre relógio astronômico. Vale a pena mais de uma visita no centro histórico. Sempre pode-se fazer uma nova descoberta. A parte mais antiga do relógio astronômico de Praga – composta pelo relógio mecânico e o mostrador astronômico – foi construída em 1410.

:: As igrejas de Praga são lindas, mas sempre é cobrada uma taxa para entrar.

:: Passeios nos mais diversos tipos de carro. Lá você pode optar por conhecer o centro histórico da cidade nos mais diferentes modelos de carro. Caso você não goste tanto de caminhar, essa pode ser uma boa opção.

:: Bairro e cemitérios judeus. No bairro você poderá encontrar muitas lojas de souvenir, dos mais diversos tipos. A lojinha que fica em frente ao cemitério tem coisas bem interessantes. Dentre os túmulos, o mais procurado é o do notório Rabino Low. Sepultado em 1609, segundo a lenda, o rabino haveria criado a partir do barro a mítica criatura Golem. Segundo a mesma lenda, o Golem haveria sido “enterrado” no sótão da Antiga Sinagoga (Old New Sinagoge). A profusão de túmulos, e todo o simbolismo judeu nele contido tornam a visita especial.

:: Cabarés. Isso mesmo, Praga também é conhecida por seus cabarés….

:: O bairro Malá Strana você pode conhecer casas tradicionais com nomes e brasões das famílias…é uma aula de história!

:: Em Praga também é possível encontrar a rua mais estreita do mundo, com direito até a sinal de trânsito!

:: O edifício que dança…

:: A Veneza de Praga

:: Doces típicos da região…

:: E um passeio pela cidade a noite… curtindo uma noite de lua cheia! Além disso, eles também oferecem tour noturno, com guia, pela cidade. Você encontra maiores informações no saguão do hotel.

Por fim, ficamos em um hotel muito bom, chamado K&K Fênix, ele tem uma ótima localização (umas duas quadras do Teatro Municipal – que também conta com uma estação de metrô, e uma quadra da praça principal). A moeda oficial da região é a Coroa ou Koruna, mas alguns lugares aceitam o euro, ou oferecem o euro como troco.
Enjoy!

Data da viagem: 09/05/11 a 11/05/11

 
Deixe o seu comentário

Publicado por em 1 de Agosto de 2011 em Praga

 

Etiquetas: , , , , , , , , , , , , , , , ,